Carol | Crítica

carol 3

Carol é um história sobre amar alguém que você não deveria, numa sociedade tão opressora que sequer se dá ao trabalho de explicar o porquê oprime. Uma sociedade patriarcal em que a mulher perde o direito a dignidade caso decida ser livre. Uma sociedade que desrespeita a liberdade individual e violenta as minorias. O que importa são as aparências, manter a imagem de “cidadão de bem”, mesmo que isso custe sua felicidade.

O longa, baseado no livro “The Price of Salt” de Patricia Highsmith, de 1952, poderia não causar muita identificação por causa dos mais de 60 anos da história, o mundo evoluiu, mas será que foi tanto assim? Será que a maioria das pessoas já veem com naturalidade uma história de amor entre pessoas do mesmo sexo? E ainda mais entre mulheres, que ainda são reprimidas por essa sociedade machista. Se levarmos em conta a representatividade destas histórias no cinema, parece que não.

carol 2

No filme, Carol (Cate Blanchett) é uma mulher madura, segura de si, que possui uma postura altiva e elegante, dominando qualquer ambiente que chega. Não por acaso chama a atenção de Therese (Rooney Mara) assim que ela entra na seção de brinquedos da loja de departamentos em que trabalha. Therese parece que fica hipnotizada, e o simples diálogo entre as duas sobre qual brinquedo comprar para a filha de Carol é um momento de pura tensão sexual.

Uma pena que este momento se perde ao longo do caminho, ao invés de ir aumentando gradativamente até chegar ao clímax, quando elas se entregam à paixão. Mas não, o diretor Todd Haynes mantém o filme numa temperatura baixa, tal qual o clima invernal em que se passa a história, e mostra tudo com tanta sutileza que vamos perdendo o interesse no romance quando depois de mais da metade do longa, ele de fato acontece. Aí já não compramos mais aquela história de amor a ponto de torcermos pelas protagonistas quando elas sofrem com a avalanche opressora do patriarcado.

Carol é sem dúvida um filme lindo, a fotografia e a direção de arte casam perfeitamente com o tom da narrativa e a época, mas ao mesmo tempo causa um distanciamento do público, ainda mais pela escolha de posicionar as câmeras buscando as personagens sempre atrás de uma barreira de vidro, seja de um carro, uma janela ou uma porta. É através dessa imagem fosca que procuramos por este amor que deveria nos parecer tão intenso, mas parece apenas aprazível.

Cotação-3-5

Carol (Carol)

Carol - poster nacional

Direção: Todd Haynes

Roteiro: Phyllis Nagy, baseado no livro de Patricia Highsmith

Elenco: Cate Blanchett, Rooney Mara, Kyle Chandler, Bella Garcia, Blanca Camacho, Carrie Brownstein, Chandish Nester, Cory Michael Smith, Giedre Bond, Jake Lacy, Jayne Houdyshell, Jim Dougherty, Jim Owens, John Magaro, Kevin Crowley, Misty M. Jump, Rileigh McDonald, Ryan Wesley Gilreath, Sarah Paulson, Steven Andrews, Trent Rowland, William Willet.

Gênero: Drama/Romance

Duração: 118 minutos

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s