Perdido em Marte | Crítica

themartian 3

Pouco tempo antes da estreia de Perdido em Marte nos cinemas, vi na minha timeline uma das primeiras resenhas internacionais, cujo título dizia que o longa de Ridley Scott era uma espécie de “anti-Interestelar“. Acho que estava sem tempo de abrir o artigo para lê-lo na hora, e depois não lembrava mais a sua fonte, mas fiquei encucada com aquilo, já que eu também não tinha lido o livro do qual se origina e nem a resenha sobre ele de meu colega Thiago Melo, que você encontra aqui.

Apesar de ser grande fã do gênero ficção científica, desta vez fui ao cinema com o mínimo de informação possível e portanto, com baixas expectativas. Ridley Scott, embora seja o diretor responsável por alguns dos maiores clássicos modernos do cinema (Blade Runner, Alien, Thelma & Louise), vinha numa fase muito irregular em sua carreira, parecendo ter se rendido aos estúdios como um “diretor-operário”. Mas por pior que fossem alguns de seus últimos filmes, seu estilo ainda aparecia, por mais escondido que tivesse entre CGI’s e roteiros rasos escritos por algumas dúzias de mãos.

THE MARTIAN

E eis que ele finalmente tem um ótimo material em seu poder, em que ele pôde brincar e fazer ressurgir todo seu talento. Perdido em Marte é mesmo um anti-Interestelar, assim como poderia ser também um “anti-Gravidade“, no sentido de que o filme, apesar de fazer referências a Física, Química e Biologia, não se atém tanto às leis científicas e tampouco se leva a sério. O longa nada mais é que uma história de sobrevivência sob um ponto de vista otimista, que mostra a saga do astronauta/botânico Mark Watney (Matt Damon) em se manter vivo sozinho num planeta distante e inóspito, sempre de bom humor. Quando pensamos numa situação limite como esta, é natural pensarmos primeiro no drama da solidão e do perigo, por isso é interessante vislumbrarmos o ponto de vista do protagonista, que se dá conta de que é o primeiro homem a ficar sozinho num planeta, o primeiro a pisar em quase todos os lugares de Marte e, por ter conseguido cultivar batatas por lá, torna-se então o colonizador do planeta vermelho.

O primeiro ato do filme, assim como as primeiras páginas do livro, é basicamente apenas Mark Watney tentando se virar em Marte. A partir do momento em que ele decide que não morrerá lá, monta um plano de sobrevivência e comunicação com a Terra para o seu resgate. Quando este consegue se comunicar, o filme tira um pouco seu foco e vai para a Terra, onde conhecemos vários personagens da NASA. O elenco é grande (e excelente, recheados de caras conhecidas), mas cada um tem uma função primordial na história que nunca é subaproveitada, mesmo que se sinta vontade de ver um pouco mais de Jessica Chastain, que é a capitã da tripulação Hermes da qual fazia parte Mark, e está ótima (como sempre) numa personagem confiante e assertiva. Por quê não há mais personagens femininas assim? Inexplicável.

themartian 2

No livro há um ponto alvo de críticas que é a falta de aprofundamento emocional em Mark, que parece não se abalar com sua situação. No filme no entanto isto se resolve, graças à visualização dos sentimentos que o cinema proporciona, e em meio a reviravoltas e consequentes dificuldades que surgem, podemos ver que Mark tem sim seus momentos de fúria, frustração e temor. Os belíssimos planos em que observamos Mark contemplando os horizontes marcianos podemos ver e sentir sua imensa solidão. Mas isso, como disse anteriormente, não é o ponto-chave do filme, na maior parte do tempo ele está fazendo piadas sobre tudo, e sempre ao som de Disco original dos anos 1970, que ele odeia, mas é o que tem, e é o que deixa o filme mais estiloso.

Visualmente, o filme é um desbunde. A linda fotografia nas cenas em Marte (filmadas no deserto avermelhado da Jordânia), os tons terrosos e “solares” se encaixam muito ao imaginário popular do planeta vermelho, e também do pouco que conhecemos do planeta graças às imagens de satélites e do famoso Mars Rover. E a tecnologia 3D aqui é muito bem utilizada. O roteiro e a direção, tanto das sequências como a dos atores, colocam o filme sobre a linha tênue que separam as grandes obras de ficção científica dramáticas daqueles descerebrados blockbusters descartáveis do gênero. Mas ele se equilibra tão bem nesta linha que se coloca num outro patamar.

themartian 5

É quase irônico que há alguns dias cientistas descobriram água em Marte, se esta descoberta tivesse sido feita antes do livro, ou ao menos da produção do filme, e acaso tivessem querido utilizá-la, a história teria seguido um curso diferente. Ainda bem que não foi, pois nos privaria de um dos momentos mais instigantes da história. Não tem como não torcer por um herói que te mostra que com o conhecimento – algo que muita gente tem deixado de lado, priorizando apenas a troca de informações instantâneas – é possível sobreviver às situações mais adversas. Isso tudo, é claro, sem perder o otimismo.

Cotação-5-5

Perdido em Marte (The Martian)

Perdido em Marte - poster nacionalDireção: Ridley Scott

Roteiro: Drew Goddard, baseado no livro de Andy Weir

Elenco: Matt Damon, Jessica Chastain, Kristen Wiig, Aksel Hennie, Chiwetel Ejiofor, Donald Glover, Jeff Daniels, Jonathan Aris, Kate Mara, Lili Bordán, Mackenzie Davis, Michael Peña, Naomi Scott, Sean Bean, Sebastian Stan, Nick Mohammed, Chen Shu, Eddy Ko, Gruffudd Glyn, Geoffrey Thomas.

Gênero: Ação/Aventura/Ficção

Duração: 141 minutos

2 comments

  1. Gostei muito do seu post. Assisti o filme e achei alguns paralelos com uma saga dividida em contos, que estou lendo em recantodasletras.com.br; de um autor compatriota: MUNDOS PARALELOS de Gabriel Solis.
    Esta saga inicia com a primeira expedição ao planeta Marte, onde os protagonistas se enfrentam a umas dificuldades bastante parecidas.
    No volume dois da Saga eles vão para Júpiter, e há um episódio bem interessante: O EREMITA, em uma das luas de Júpiter.
    Parabéns pelo post.
    Abraço.
    Vida Longa e Próspera!

    Curtir

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s