Narcos S01E01 – Descenso | Review

O primeiro episódio da aguardada Narcos, série da Netflix produzida por José Padilha, leva a sério o estilo maratona já comum ao serviço de streming e usa praticamente todo o seu tempo para demarcar o ambiente no qual a história irá se desenvolver e para apresentar os personagens principais, o traficante colombiano Pablo Escobar e o agente americano Steve Murphy.

narcos-episodio1-wagnermouraPor tal razão, algumas pessoas podem achar que “A Chegada” é um episódio lento e por vezes complicado de entender, já que em um curto espaço de tempo vários saltos são feitos na narrativa para que tenhamos uma completa noção de como Escobar e Murphy chegaram a onde estão. Assim, passamos de Colômbia em 1989 para Chile em 1973 e ainda Miami em 1979. Todas essas inserções, diga-se, são extremamente importante para a composição da história na qual nos propomos a conhecer: a ascensão e queda do cartel de Medellín, uma das maiores organizações criminosas da história.

Talvez por essa razão Padilha tenha optado por uma narração em off que habita em todo o episódio, entretanto, esse recurso é utilizado mais como uma forma de ambientar o que vai acontecer do que de fato explicar o que está diante de nossos olhos, o que revela o cuidado do diretor em não subestimar o espectador entregando tudo bem mastigado, o que lembra filmes do Martin Scorsese como “Os Bons Companheiros” e o recente “O Lobo de Wall Street”.

A série ainda demonstra que será um grande recorte documental da história da América Latina, e assume essa característica não só nos detalhes de produção como figurino, objetos e cenários, mas também ao mesclar ficção com fotos e vídeos reais da época, como a mugshot em que Pablo Escobar tirou sorrindo e o pronunciamento do presidente americano Ronald Regan e sua esposa Nancy contra as drogas.

narcos-episode-01

Mas o destaque fica mesmo com Wagner Moura e sua versão de Escobar, um cara que visualmente não impõe medo, mas que possui um ego tão grande que basta ser desafiado para poder mostrar seu poder, seja entre seus aliados, como aconteceu com Barata, ou contra oficiais, quando deliberadamente solta algumas informações sobre as autoridades e sobre os parentes destes, de uma maneira quase que indiferente, a fim de deixar claro que ele pensou sobre todos os aspectos de seus negócios, e sabe muito bem o ponto fraco de cada um, e está disposto a usá-lo.

  • A música tema da abertura de Narcos é “Tuyo”, cantada por Rodrigo Amarante (ex-Los Hermanos)
  • Embora a narração tenha sido bem utilizada em boa parte do episódio, em alguns momentos ela dá a impressão de estar solta, mas isso ocorre pelo fato deste episódio ser mais um conjunto de recortes do que um episódio com um plot propriamente dito.
  • “De 79 a 84 houve 3245 assassinatos em Miami. Mas fora a Secretaria de turismo e os policiais, ninguém mais se importava com isso.O que fez o governo americano prestar atenção foi o dinheiro. Bilhões de doláres por ano indo dos EUA para a Colômbia. E isso, os EUA não podiam suportar”
  • Oberyn está de volta, dessa vez com o rosto inteiro.

Confira todas as reviews de Narcos.

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s