Marvel’s Daredevil S01E08 – Shadows in the Glass| Review

Não só os flashbacks voltaram com tudo, mas eles se expandiram para o mundo de Hell’s Kicthen, o que nos propiciou um ótimo episódio focado em Wilson Fisk e sua infância turbulenta. Ao mesmo tempo que esse artifício se é reinventado nesse episódio, ele faz com que o vilão cresça em nossa visão, uma vez que passamos a entendê-lo melhor após esse background.

marvel-daredevil-netfix-episode-8E que oportunidade melhor pra contar a história do vilão senão quando ele está num começo de crise, com medo e quase perdendo o controle de todo seu império? O trabalho de Vincent D’Onofrio dá uma interessante faceta a Fisk, que sabe respeitar e impor respeito apenas com alguns gestos.

Aliás, dá pra entender perfeitamente o porquê dele ser o que é hoje, com um pai extremamente abusivo que se sentia o rei da casa, mesmo sendo ridicularizado nas ruas, e a cena do assassinato fica ainda mais pesada quando, após o flashback ouvimos do Fisk adulto a confissão de que não fez aquilo pra proteger a mãe, mas fez por si mesmo.

“Shadows in the Glass” quase não deu destaque para o resto dos personagens, o que comumente seria apenas um filler descartável, mas que felizmente é usado numa sábia estratégia de equilibrar os oponentes em relação ao público, e mesmo para diferenciá-los, uma vez que Fisk, estrategista como é, já imaginava que poderia ser exposto e resolver sair da escuridão, enquanto que Matt ainda se esconde por detrás de uma máscara preta.

marvel-daredevil-netfix-episode8-capaNovamente os detalhes que compõe o episódio fazem valer a pena: descobrimos o real significado da pintura Rabbit in the Snowstorm para o Fisk, e o porquê da fixação dele com as abotoaduras em suas camisas. Vanessa tem tido um papel extremamente importante para Fisk, de lhe apoiar mesmo sabendo os seus podres, algo que, como vimos, é um padrão vindo da mãe dele.

  • Gao ainda vai arrebentar alguém daqui pro final da série, podem apostar.
  • He’s like a bat. Not blind like a… I mean, you know… with the hearing.
    Bats aren’t blind, Foggy.
    They’re not?
    It’s a myth.
  • No episódio citaram Rigoletto, que foi o Rei do Crime antes de Fisk.
  • O armário de Fisk é meio 50 tons de preto, né não?

Veja outras reviews da série Marvel’s Daredavel

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s