A História da Eternidade | Crítica

a_historia_da_eternidadeSob a belíssima fotografia do longa-metragem de estreia de Camilo Cavalcante, que trabalha como diretor, roteirista e produtor, os personagens parecem se debater contra uma vida que os sufoca lentamente, sem que percebam. Por mais que os observe com certo carinho, o filme não poupa nenhum deles do destino que ronda suas existências miseráveis desde o início da história.

Para não ser injusto, é preciso admitir que o filme permite a cada um dos protagonistas das três narrativas que dividem o tempo em A História da Eternidade ao menos um momento de descanso, em que seus sonhos parecem estar tão próximos que eles quase podem tocá-los.

João (Irandhir Santos) sofre preconceito do irmão por ganhar a vida fazendo apresentações artísticas na feira. Em um dos momentos mais bonitos do longa, supera suas inibições e se apresenta em frente aos boquiabertos habitantes do vilarejo onde mora. Já Alfonsina (Débora Ingrid) sonha em ver o mar, uma tentativa um tanto quanto clichê do roteiro de mostrar que a garota procura se libertar do pai autoritário e dominador (Claudio Jaborandy).

a_historia_da_eternidade2Ao longo da narrativa, o cineasta brinca com perfis não muito originais para traçar um panorama sem ilusões da vida no sertão, que, apesar de tudo, acaba se mostrando menos pessimista do que o esperado. O segmento mais ousado é o que apresenta a dúbia relação de uma avó (Zezita Matos) com seu neto (Maxwell Nascimento), na qual ambos guardam segredos. A descoberta de uma revista entre os pertences do neto desperta na senhora alguns sentimentos surpreendentes que, no entanto, são menos desenvolvidos do que poderiam ser.

Conforme as histórias se enrolam e desenrolam, vai ficando cada vez mais claro que os personagens não passam de joguetes nas mãos do cineasta, na tentativa de construir um todo impactante. Cavalcante é, sem dúvida, um diretor habilidoso e bastante promissor, no que ainda é auxiliado pelos visuais impressionantes destacados pelo fotógrafo Beto Martins.

De fato, A História da Eternidade em alguns momentos brinca com a grandiosidade e chega perto do filme que almeja ser. Em outros, no entanto, é óbvio demais e não consegue alcançar seus objetivos, aproximando-se muito mais dos ápices dramáticos de uma telenovela do que da catarse genuína.

a_historia_da_eternidade3Porém, é impossível negar a força poética e emocional de algumas de suas melhores cenas, o que faz de A História da Eternidade um filme altamente memorável, mesmo que irregular. Seu maior feito é mesmo trazer à tona o talento de um diretor que entrega a promessa de um futuro brilhante no cinema.

Cotação-4-5A História da Eternidade - poster nacionalA História da Eternidade (A História da Eternidade)

Direção: Camilo Cavalcante

Roteiro: Camilo Cavalcante

Elenco: Marcélia Cartaxo, Leonardo França, Débora Ingrid, Cláudio Jaborandy, Zezita Matos, Maxwell Nascimento, Irandhir Santos.

Gênero: Drama/Romance

Duração: 121 minutos

Curta a fanpage do Cinelogin no Facebook!

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s