O Jogo da Imitação | Crítica

O Jogo da Imitação 4

Existem personagens que são clássicos. Aqueles gênios tão mergulhados em seus pensamentos sublimes que as sutilezas das convenções sociais os escapam e até mesmo os irritam. Benedict Cumberbatch parece ser o ator perfeito para encarnar este arquétipo vivendo Alan Turing, o brilhante decifrador de códigos na II Guerra Mundial, cuja vida mistura o triunfo e a tragédia. Ele é auto-consciente, percebe-se isso em seus sutis movimentos corporais, mas há uma tristeza por trás de seu sorriso característico, adequado a  um homem que trabalha em segredo – ele e uma equipe em Bletchley Park foram responsáveis pela quebra de códigos supostamente inquebráveis dos Nazistas, conhecido como Enigma, e Turing acabou por inventar a primeira máquina que deu origem ao computador moderno que conhecemos e usamos todos os dias. Ele não fez pouca coisa, mas por quê tão pouca gente o conhece?

Talvez porque Turing também tinha o seu próprio segredo: ele era gay, numa época em que ninguém podia ser (ou saber). E um homem que ajudou a salvar milhares de vidas e criou a máquina essencial do homem no século XXI acabou condenado por “comportamento indecente”, humilhado publicamente e nunca reconhecido em vida por seus feitos extraordinários.

Não se preocupem, caros leitores, não estou dando spoilers, a questão aqui é como toda história se desenvolve.

O Jogo da Imitação 2

Turing estava em seus 20 e poucos anos quando foi convidado a participar de uma equipe tentando descobrir o que fazer com Enigma, um aparelho de codificação que oferecia 159 trilhões de possibilidades para cada mensagem transmitida pelos nazistas – planos de ataque, as rotas de bombardeio e os horários, etc. Enquanto o líder original do grupo, um campeão de xadrez chamado Hugh Alexander (Matthew Goode), está engajado em descobrir tudo isso no papel – uma improbabilidade estatística altíssima para qualqur leigo, diga-se de passagem – Turing convence o próprio primeiro-ministro britânico, sim, Winston Churchill, a deixá-lo construir a “máquina de Turing”, que poderia calcular mais rápido do que qualquer mente humana.

Ele então redefine a equipe, e com isso agrega a inteligente Joan Clarke, uma escolha fora da caixa, pois se uma mulher matemática naquela época já era raro, imagine trabalhando para o serviço secreto inglês em plena II Guerra?! Uma personagem ótima, mas que a atriz Keira Knightley, apesar de não comprometer, desperdiça, não conseguiu aproveitar o grande potencial que tinha em mãos. Sua indicação ao Oscar é um exagero.

Turing e Clarke inclusive ensaiam um romance, mas é apenas amizade e companheirismo, já que Turing sabe desde muito jovem sua orientação, mesmo vivendo bem fechado dentro do armário.

O Jogo da Imtação 1

O Jogo da Imitação pode ocasionalmente ser um pouco “polido” demais, é óbvio que foi um filme feito para premiações – há momentos em que parece um filme convencional sobre um homem muito pouco convencional. Seria desejável mais tempo para os eventos posteriores à guerra na vida de Turing, mas talvez o diretor Morten Tyldum tenha achado que uma abordagem mais forte sobre sua sexualidade tirasse do foco os seus feitos. No entanto, O Jogo da Imitação é tanto uma obra prazerosa de assistir – e uma oportunidade para se deleitar com o que Cumberbatch pode transmitir com seu silêncio eloquente. Ele resiste a qualquer tentação de fazer Turing simpático; em vez disso, ele compõe um herói complicado cuja mente trabalhava como um computador.

E o que parece ser um filme sobre matemática e guerra é, na verdade, sobre imaginação, união e sobre como o brilhantismo se sobressai a qualquer regra social, e como a nossa sociedade precisa, ainda hoje, superar preconceitos para evoluir, criar pontes ao invés de muros, em nome do bem maior da humanidade: o amor.

Cotação-4-5

O Jogo da Imitação (The Imitation Game)

O Jogo da Imitação - poster nacionalDireção: Morten Tyldum

Roteiro: Graham Moore, baseado no livro de Andrew Hodges

Elenco: Benedict Cumberbatch, Keira Knightley, Matthew Goode, Rory Kinnear, Allen Leech, Matthew Beard, Charles Dance, Mark Strong, James Northcote, Tom Goodman-Hill, Steven Waddington, Ilan Goodman, Jack Tarlton, Alex Lawther, Jack Bannon, Tuppence Middleton, Dominic Charman, James G. Nunn, Charlie Manton, David Charkman, Victoria Wicks, Andrew Havill, Laurence Kennedy, Tim Van Eyken, Will Bowden, Miranda Bell, Tim Steed, Lee Asquith-Coe, Hayley Joanne Bacon, Lauren Beacham, Ingrid Benussi, Nicholas Blatt, Jack Brash, Ancuta Breaban, Heather Broderick, Peter Brown, Alex Corbet Burcher, Grace Calder, Richard Campbell, Daniel Chapple, Winston Churchill, Lisa Colquhoun, Alexander Cooper, Chris Cowlin, Leigh Dent, Esther Eden, Sam Exley, Ben Farrow, Mike Firth, Hannah Flynn, Guna Gultniece, Oscar Hatton, Adolf Hitler, Leigh Holland, Luke Hope, VIncent Idearson, Denis Khoroshko, Debra Leigh-Taylor, Stuart Matthews, Amber-Rose May.

Gênero: Drama

Duração: 114 minutos

Anúncios

2 comentários

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s