De Volta ao Jogo | Crítica

de_volta_ao_jogo0Uma coisa ruim também pode ser uma coisa boa? John Wick (Keanu Reeves) não se importaria muito com essa pergunta, já que ele é uma clássica caricatura de filmes de ação. Inexpressivo e habilidoso, carrega consigo uma aura de mistério que nada mais é que uma bela cobertura para ocultar o pouco conteúdo de seu personagem.

Depois que o pirralho insolente Iosef Tarasov (Alfie Allen, de Game of Thrones) rouba o carro e mata o cãozinho de estimação de Wick, presente de sua falecida esposa, descobrimos que o protagonista é nada menos que um temível matador de aluguel aposentado. E Tarasov, obviamente, é o filho de um grande chefão do crime (Michael Nyqvist), que fala tudo com um forte sotaque russo.

Começa então a parte realmente impressionante de De Volta ao Jogo: as sequências de ação. Coordenadas com precisão e uma estranha leveza, aliada a uma violência crua, as cenas são hipnotizantes. De certa maneira, elas apresentam um retrato do próprio John Wick, um homem extremamente brutal, mas também emocional e ocasionalmente delicado.
de_volta_ao_jogo2Dando força a um roteiro previsível e costurado basicamente em cima de clichês, a direção dinâmica de Chad Staheski, em seu primeiro trabalho como cineasta, destaca este filme dentre tanta produções de ação genéricas e desbotadas. O fato de Staheski ter feito carreira como dublê e, mais tarde, como coreógrafo, é bastante aparente aqui. E isso é um baita elogio, pois justamente nesse aspecto o filme mostra ter uma alma.

Observar Reeves deixando buracos sangrentos na cabeça de capangas sem face é quase tão agradável quanto vê-lo rodopiar no ar, evitando displicentemente os perigos que chegam de todos os lados. Outro fator em que o filme acerta na mosca é a vulnerabilidade de seu protagonista. Wick apanha tanto em cena que, a partir de determinado momento, fica até difícil olhar para a tela. Apesar de realizar feitos aparentemente impossíveis, ele é humano e também se deixa levar pela emoção e, por vezes, age de forma impulsiva, precisando contar com a sorte para não ser eliminado.

Dito isso, é preciso também notar que o roteiro do filme é extremamente rasteiro e óbvio. Você certamente já viu tudo aquilo dezenas de vezes na telona. E não me refiro à história como um todo, mas a cada pequena reviravolta que parece vir cronometrada para ser igual a toda produção típica do gênero. O diferencial é que o filme parece saber desse problema tão bem quanto nós e se diverte em dar algumas divertidas piscadelas vez de vez em quando.
de_volta_ao_jogo3É difícil explicar por que De Volta ao Jogo é um filme bom. Na verdade, ele tem mais fatores negativos que positivos. Como já foi dito, o roteiro é genérico. Além disso, as atuações geralmente oscilam entre o caricato e o inexpressivo, embora Reeves tenha ao menos uma cena surpreendentemente boa. Artisticamente, em quesitos como fotografia e direção de arte, o filme também tem muito pouco para mostrar, embora seja filmado de forma primorosa em suas sequências de ação.

Resta a pergunta: Um filme ruim pode ser um filme muito bom? De certa maneira, sim. De Volta ao Jogo é um exemplo de por que o cinema não é apenas a soma de suas partes. Em certos casos, algumas poucas características surpreendentes podem elevar a qualidade de uma produção às alturas. No filme, a dinâmica intensa e extremamente bem feita acaba dominando a narrativa e prevalecendo sobre todos os outros fatores. Desta vez, John Wick e, principalmente, Keanu Reeves agradecem.
Cotação-4-5De Volta ao Jogo - poster nacionalDe Volta ao Jogo (John Wick)

Direção: Chad Stahelski e David Leitch

Roteiro: Derek Kolstad

Elenco: Keanu Reeves, Michael Nyqvist, Alfie Allen, Willem Dafoe, Dean Winters, Adrianne Palicki, Omer Barnea, Toby Leonard Moore, Daniel Bernhardt, Bridget Moynahan, John Leguizamo, Ian McShane, Bridget Regan, Lance Reddick, Keith Jardine, Tait Fletcher, Kazy Tauginas, Alexander Frekey, Thomas Sadovski, Randall Duk Kim, David Patrick Kelly, Clarke Peters, Kevin Nash, Gameela Wright, Vladislav Koulikov, Munro M. Bonnell, Patricia Squire, Vladimir Troitsky, Stefanie Bari, Tommy Bayiokos, Joseph K. Bevilacqua, Carolyn Blair, William Andrew Brewer, Kenneth Carrella, Chris Chasey, Courtney Cooper, Samantha Crawford, Gioianna DiGiorgio, Johnny DiGiorgio, David Douglas, Annoula Dritsas, Tim Falter, Angelica Guillen, Thayr Harris, Meg Hudson, Jason Isaacs, Natalia Kiriya, Christopher Kolling, Ilan Krigsfeld, Mack Kuhr.

Gênero: Ação/Suspense

Duração: 101 minutos

Curta a fanpage do Cinelogin no Facebook!

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s