Clássicos | Forrest Gump

forrest_gumpForrest Gump venceu Pulp Fiction como melhor filme no Oscar de 1995. E Pulp Fiction é, sem sombra de dúvida, um filme muito melhor. Torna-se importante estabelecer isso logo de início porque muitos se sentem tentados a criticar o filme tendo como base justamente esse argumento, cometendo uma injustiça em nome de outra injustiça. O mesmo aconteceu ao drama familiar Gente Como a Gente, por exemplo, marcado pela infâmia ao receber o prêmio principal no lugar de Touro Indomável. O caso é que tanto um quanto o outro são filmes muito bons, apesar de seus prêmios injustos. Não podemos nos esquecer disso.

O filme é a clássica narrativa do tolo sagrado (imortalizada em O Idiota de Dostoyevski, por exemplo) contada de uma perspectiva histórica mais contemporânea. Conforme Forrest (Tom Hanks), que tem um ligeiro retardo mental, cresce, acaba também se envolvendo sem querer em alguns dos principais acontecimentos do século XX.

Portanto, aperta a mão de presidentes, torna-se herói na Guerra do Vietnã, é inspiração para os movimentos de quadril de Elvis Presley, descobre o escândalo Watergate, torna-se o primeiro americano a visitar a China comunista, se apaixona por uma expoente do movimento hippie e fica rico ao, de maneira improvável, fundar uma grande companhia de pesca de camarões.

forrest_gump2Levar o público a se identificar com Forrest não é uma tarefa tão fácil quanto pode parecer. Caracterizações de personagens tolos no cinema muitas vezes tendem a ser exageradas e, como resultado, acabam tornando-se detestáveis. Mas Hanks é um ator que consegue atrair simpatia sem muito esforço e leva à tela um homem que encontra uma certa dignidade em sua condição, um carisma que vai além da simples piedade. O roteiro ajuda muito, impedindo que o protagonista caia em piadas fáceis ou apelativas.

Para dar o tom ao mundo que cerca Gump, há também um elenco de peso e relevância. Sally Field é adorável como a mãe que incute nele grande parte dos valores que levará por toda a existência (“Mamãe sempre dizia que a vida era como uma caixa de chocolates. Você nunca sabe o que vai encontrar”). Robin Wright é amorosa e dúbia no papel da jovem Penny. Gary Sinise está extraordinariamente amargo como um oficial que perdeu as pernas na guerra.

Mais do que um grande sucesso de público e de crítica, quando foi lançado o filme de Robert Zemeckis também representou um triunfo da técnica. As cenas que incluem o personagem em importantes eventos históricos, como seu encontro com os presidentes Lyndon Johnson e John Kennedy e uma fictícia entrevista que teria inspirado John Lennon a compor a canção Imagine, foram grandes conquistas audiovisuais para a época, feitas já com a ajuda de CGI.

forrest_gump3Na verdade, há muitas razões para que Forrest Gump seja um filme notável. A maior delas é o próprio filme, uma sátira recheada de cultura pop que consegue ser ao mesmo tempo incrivelmente cômica e melancólica. Por mais estranha que seja a trajetória percorrida por Forrest, nunca é difícil se identificar com suas experiências nem com as emoções sentidas por ele. O que já parece ser razão suficiente para que o filme garanta seu espaço eterno no imaginário popular.

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s