Simplesmente Natal

Quem me conhece sabe o quanto amo o Natal. É bem verdade que ele acontece bem na época que eu estou em uma TPM constante por um motivo: eu odeio calor. Odeio verão. Odeio muito. MUITO MESMO, mas como eu dizia, amo o Natal. Amo as decorações, mesmo que me irrite com o fato de ter Boneco de Neve nos shoppings neste calor dos infernos. Sou a favor de adaptar tudo para o nosso clima: quero Papai Noel na praia de bermudão, óculos escuros e uma água de coco na mão. Amo as luzes nas ruas (mesmo que hoje em dia ache que tem pouco disso pelo Rio de Janeiro, onde moro – 01 sonho: qualquer lugar do mundo que tenha decoração caprichada), a confraternização da família, as trocas de presentes dos 500 ‘amigo oculto’ que nos comprometemos a participar. Enfim, acho que deu pra perceber, né?

Todo esse clima de fim de ano também me deixa nostálgica. Na verdade, eu já sou uma pessoa nostálgica. Volta e meia durante certas épocas eu fico assim, aí o que faço? Revejo vários filmes que me lembram uma época, séries (é clássico que eu assista The O.C. nessas “crises”, mas só a 1ª temporada haha), músicas (e aqui entra de tudo: desde bandas e artistas que escuto com frequência até aqueles que só gosto de uma música) etc. Então, perto do Natal e do fim de cada ano, o que acontece comigo é que fico nostálgica o dobro do que quando fico às vezes.

Isso tudo só para contextuar esse artigo, que é sobre um um filme que sempre (sempre), desde que o assisti pela primeira vez, revejo no Natal: Simplesmente Amor (IMDB). É uma comédia romântica britânica (God bless) com um ótimo elenco e diversas histórias em um só filme. Antes de tudo: não sou uma pessoa que gosta desse tipo de filme. Comédias românticas geralmente me deixam entediada e com vergonha alheia de diversas situações, seja com uma declaração de amor cafona ou uma tentativa frustrada de comédia. Simplesmente Amor nunca me deixou assim. Tudo flui tão bem e tão naturalmente que eu até esqueço que estou assistindo uma comédia romântica.

Simplesmente Amor

Além dele, ainda amo rever, entre outros: Esqueceram de Mim 1 e 2 (clássicos), A Felicidade Não Se Compra (obra-prima do Frank Capra), O Diário de Bridget Jones (do mesmo autor de Simplesmente Amor) e um que não tem a ver com o Natal, mas é dessa minha nostalgia de fim de ano: Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças.

O texto abaixo, porém, como disse logo acima, é só sobre Simplesmente Amor. Ah… Vai rolar spoiler😉

As histórias são ótimas e nem sei dizer qual gosto mais. Em cada uma encontro um ponto que amo. Todos os personagens estão ligados, mas não soa falso. Temos o sensacional Bill Nighy fazendo o rockstar decadente, louco para retornar ao número 1 das paradas fazendo o que todo artista coxinha faz em fim de ano para ganhar dinheiro: canção natalina. Ele é o típico estereótipo do cara que aproveitou todo seu auge da fama à base de sexo e drogas. Sem restrições, o personagem vem com muito humor britânico (God bless) fazendo disso tudo uma ótima sátira. Uma das melhores cenas do personagem:

            

            

Um dos maiores canastrões do mundo também faz parte do elenco: Hugh Grant. Sempre perfeito para esses tipos de filme, aqui Grant é o Primeiro Ministro britânico que se apaixona pela funcionária (Martine McCutcheon). Contando com seu bom timing para comédia e uma figura sempre carismática, ele ainda protagoniza uma cena mais ‘exigente’: ele peita o presidente dos EUA (outro canastrão, Billy Bob Thornton ex-Angelina Jolie) em um discurso (God bless). Abaixo uma das melhores cenas (ou a melhor) do personagem.

Simplesmente Amor

Três nomes de peso protagonizam a parte triste do filme: Alan Rickman e Emma Thompson vivem um casal com dois filhos e que é abalado por uma traição. O destaque aqui é dela, que aborda com classe e ótima atuação e torna a tristeza da personagem, a nossa. Vale destacar que Rowan Atkinson, ou melhor, o Mr. Bean faz uma “ponta” com Alan Rickman em uma cena divertida. Laura Linney é uma dedicada irmã que guarda uma paixão “secreta” pelo brazuca Rodrigo Santoro, e a relação dela com o irmão é bem bonita. Destaque para cena dos dois abraçados na noite de Natal.

Simplesmente Amor
Keira Knightley possui uma história interessante. O começo do filme é com seu casamento e muita felicidade do casal. O que ela não sabe, é que o melhor amigo do noivo é apaixonado por ela. Clássico. No entanto, aqui é diferente. A primeira coisa que passaria pela minha cabeça é que em um outro filme, o amigo ia se declarar e talvez até pudesse roubar a noiva, mas o que acontece aqui nessa história é uma das declarações mais lindas que já vi e sem o intuito de querer roubar a moça do amigo. Além disso, com o que eu queria que acontecesse no fim: ela continua casada, sem ter ficado um momento sequer abalada, apenas foi compreensiva e fofa com o cara.

Colin Firth é um escritor que logo no início do filme descobre que sua mulher o traía com seu irmão. Que situação, não? Com isso, ele decide se refugiar no sul da França e lá acontece o que ele não esperava: se apaixona novamente. Aurélia, uma portuguesa que toma conta da casa, chama a atenção do inglês. O que mais gosto dessa história dos dois é que eles falam e se declaram um para o outro sem se entender. Ela não fala inglês, e ele não fala português.

Liam Neeson é um padastro com uma difícil missão: cuidar do enteado, que acaba de ficar órfão de mãe. A princípio, o menino parece apenas estar abalado com a morte, mas depois descobrimos a ‘terrível’ verdade: o pequeno está… apaixonado. E palmas para esse coisa fofa do Thomas Brodie-Sangster, que não foi uma criança insuportável e sim muito carismática, nos fazendo crer naquela paixonite que todos temos quando pequenos.

Simplesmente Amor

Outra história que merece destaque e que gosto muito é a do casal que se conhece por um motivo bem diferente: ambos vão protagonizar um filme pornô. Durante as filmagens, eles conversam o tempo todo sobre as mais variadas coisas (de reclamações sobre o trânsito até sobre o que acham do novo Primeiro Ministro, que é o Hugh Grant… amo a forma como eles ligam todos os personagens no filme) e, com isso, se apaixonam. E apesar de se verem nus todos os dias, começam como todo casal. Marcam um encontro, ficam tímidos para o primeiro beijo. Acho demais. 

A parte mais boba do filme fica com um personagem: Collin Frisell (Kris Marshall). Ele é um cara novo, desesperado por mulher e sexo, como todo boçal. O que é legal dela: pegam aquilo que todos falam sobre o sotaque britânico – o charme – e usam a favor do cara. Abaixo, foto da cena onde elas ficam pedindo para ele falar as palavras e ficam encantadas com o sotaque dele, até porque… Sotaque britânico é uma das sete maravilhas do mundo mesmo❤

E por fim, só queria dizer que o melhor personagem é ele. Não tem competição. Bill Nighy, muso.

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s