Grandes Mulheres no Cinema

Hoje, 08  de março, Dia Internacional da Mulher, é uma data para lembrar do quanto já fomos oprimidas e somos até hoje, não para reforçar estereótipos do ideal machista da mulher, de rainha do lar ou princesa delicada que adora rosa.

No cinema, a representação da mulher também demonstra essa luta por igualdade, e se por um lado a indústria cinematográfica ainda é, como muitos, um ambiente massivamente masculino, onde poucas ganham notoriedade – e quando ganham, com espanto, do tipo “Olha, uma ótima diretora mulher!” – algumas personagens femininas tornaram-se grandes ícones.

E alguns destes ícones é que queremos homenagear aqui, aquelas que não são apenas “interesses românticos” ou objetos sexuais, aquelas que representam o ideal de igualdade e luta por respeito. As personagens que amamos!

Eis nosso Top.

Margo Channing (Bette Davis em A Malvada)

Sem dúvida alguma uma das melhores personagens femininas já criadas, e é de 1950! Margo é independente, bem-sucedida e cheia de opinião, se sobressaiu num mundo dominado pelos homens e está envelhecendo onde mais se valoriza a beleza da juventude. Tem suas inseguranças, mas as supera com dignidade.

1 A-Malvada

Macabéa (Marcélia Cartaxo em A Hora da Estrela)

A adaptação ao cinema dirigida por Suzana Amaral, de uma grande obra de Clarice Lispector, a autora que talvez mais soube retratar a alma feminina na literatura, não poderia ficar de fora. Muitas mulheres já se sentiram Macabéa, e tantas outras são. A moça pobre, sem chances de oportunidades, traída pelo namorado que a humilhava com o apelido “cabelo de sopa”, ela é a representação da mulher oprimida, que se vê apenas como um ser “já que sou, o jeito é ser“. Clarice quis nos mostrar que mulher nenhuma deveria ser uma Macabéa.

2 A Hora da Estrela

Celie Johnson (Whoopi Goldberg em A Cor Púrpura)

Neste dramalhão de Steven Spielberg, o retrato da mulher no início do século XX, quando a vida de qualquer mulher já era difícil, imagine quando se é negra e pobre. Ela é violentada de todas as formas, mas nunca perde a esperança, pois sabe que vale muito mais. Sua história poderia ficar lá em 1900, mas infelizmente ainda serve de retrato da mulher negra e pobre contemporânea, prova disso é o filme de 2009, Preciosa.

3 A-Cor-Púrpura-Celie 

Ellen Ripley (Sigourney Weaver na franquia Alien)

Em gêneros como ficção científica e ação, onde os machões são os heróis e a mulher geralmente serve apenas para ser sexy e ser salva, ver a personagem Ellen Ripley dominando a situação é um deleite. Ela é corajosa, forte, independente e nem por isso deixa sua sensibilidade feminina contraída, pelo contrário, ela faz toda a diferença em sua luta pela sobrevivência. Sem dúvida uma das maiores heroínas de ação do cinema, no mesmo patamar, e até melhor, que “os caras”.

4 Aliens-Ripley 

Darlene (Regina Casé em Eu, Tu, Eles)

Darlene é ótima, ela poderia ser mais uma de muitas mulheres pobres, que tem uma vida dura, trabalhando debaixo do Sol com filho para criar, mas daí ela arruma um marido, depois outro, depois outro, tudo junto e misturado! E o melhor de tudo é que, pelo menos até certo ponto, eles aceitam. A forma delicada como tudo foi retratado, sem julgamentos, mostrando que aquilo que seria comum ao homem, também poderia ser à mulher, por que não?

5 Eu-Tu-Eles-Darlene 

Beatrix Kiddo ou A Noiva (Uma Thurman em Kill Bill)

No altar, pronta para se casar e grávida, tentaram matá-la. Ao acordar depois de um certo tempo em coma, A Noiva busca vingança. E é nessa determinação da personagem que embarcamos junto com ela pela sua luta por Justiça. Tarantino, aliás, é um feminista. Quem se afasta de seus filmes pela “violência” não sabe o que perde. Ele sempre nos entrega belíssimas personagens: suas mocinhas não são nada frágeis, muito pelo contrário, e é admirável observá-las em ação nos seus filmes. Shoshanna Dreyfus (Melánie Laurent), de Bastardos Inglórios, também merece destaque.

6 Kill-Bill-Noiva 

Irene (Soledad Villamil em O Segredo dos Seus Olhos)

Neste maravilhoso filme argentino, Irene é a grande paixão do personagem principal, Benjamín Espósito (Ricardo Darín). A paixão é retribuída, mas ela é noiva de outro homem e sua superior no trabalho. Espósito, por insegurança, nunca diz nada à Irene, mas ela sabe. Segura de seu trabalho (a cena na qual ela interroga um suspeito é maravilhosa), seu compromisso e de seus sentimentos por ele, ela não faz nada. O movimento, afinal, deveria (?) ser dele que a ama, mas não tem coragem de assumir.

7 O-Segredo-dos-Seus-Olhos-Irene 

Céline (Julie Deply em Antes do Amanhecer e Antes do Pôr-do-Sol)

Nos românticos (e realistas) filmes de Richard Linklater, Julie Deply vive a inspiradora Céline. No primeiro filme, temos a paixão, o romance, as idealizações, mas sem ser meloso. O mais lindo, no entanto, é Antes do Pôr-do-Sol, onde reencontramos Céline mais madura, segura de si e com diálogos maravilhosos sobre a idealização do amor (“O conceito é um absurdo. A ideia de que você só pode ser completo com outra pessoa é maldosa!” na cena onde eles discutem no carro), trabalho, carreira e política.

9 Antes-do-Amanhecer-Celine 

Charlotte (Scarlett Johansson em Encontros e Desencontros)

As personagens da Coppola são sempre muito femininas, mas sem ser a clichê retratação que dão para mocinhas. A Charlotte se questiona o tempo todo: sobre o que deve fazer da vida, sobre as amizades fúteis do marido e seu próprio casamento. Ela passa a maior parte do filme em silêncio, e quando fala, sentimos todas as suas angústias, principalmente na cena quando ela conversa com a amiga e se diz preocupada por ter ido a um templo e não ter sentido nada ao estar lá. É isso que define a personagem, a busca por um sentido. Tudo, com ela, é um questão de sentir. Não basta entender, é preciso sentir.

10 Encontros-e-Desencontros-Charlotte

Princesa Leia (Carrie Fisher em Star Wars)

Apesar do título de Princesa, não é nenhuma daquelas clássicas e bobas da Disney. Leia é contra a ditadura do Imperialismo, pega em armas, briga, vai à luta e ainda tem tempo de se apaixonar por Han Solo e resgatá-lo quando ele está em perigo. Palmas!

11 Star-Wars-Princesa-Leia

Menções Honrosas:  Scarlett O’Hara de E O Vento levou…, Lara de Doutor Jivago, Holly Golightly de Bonequinha de Luxo,  Lois Lane de Superman – O Filme, Francesca Johnson de As Pontes de Madison, Sarah Connor de O Exterminator do Futuro, Alice de Resident Evil, Lisbeth Salander de Os Homens que Não Amavam as Mulheres, Katniss Everdeen de Jogos Vorazes, Maya de A Hora Mais Escura, Hushpuppy de Indomável Sonhadora…além de diretoras como Sofia Coppola, Kathryn Bigelow, Suzana do Amaral…entre muitas outras grandes mulheres e personagens que fazem o cinema melhor.

Por Karina Branco e Livia Amaral.

Curta a fanpage do bom Cinelogin no Facebook!

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s