Até que a Sorte nos Separe | Crítica

Até-que-a-Sorte-Nos-Separe01

Alguém precisa urgentemente avisar à Globo que não dá para usar no cinema as mesmas fórmulas que usa na TV.

Parecendo acreditar que basta ter Leandro Hassum como protagonista que automaticamente iremos ter um filme hilário como resultado, o roteiro deste Até que a Sorte nos Separe é tão preguiçoso, mas tão preguiçoso, que eu não consigo me lembrar sequer de uma piada que tenha tido o mínimo de desenvolvimento – a menos que você considere as caras e bocas do comediante como algo engraçado. Ok, Hassum tem carisma, e sua atuação rende momentos divertidos, mas não passa disso. O filme tem poucos momentos inspirados, e mesmo esses não são capazes de provocar mais do que uma ou outra risada.

Mas estou me adiantando. Até que a Sorte nos Separe conta uma história batida sobre um casal que vira milionário ao ganhar na mega-sena. Tino (Hassum) e Jane (Winits) passam a viver no luxo e gastar rios de dinheiro com as maiores futilidades. Não é surpresa para ninguém quando Tino descobre estar falido, e justamente quando Jane está esperando mais um bebê. É claro que o maridão resolve esconder a situação da esposa, e nesse meio do caminho acaba se metendo em “mil e uma confusões” para enfim aprender as velhas lições morais de praxe. “Dinheiro não é tudo”, “o que importa é o amor”, aquele bla bla bla de sempre.Até-que-a-Sorte-Nos-Separe02

 

Mesmo com uma história tão batida dessas, o roteiro poderia tentar ao menos criar alguma situação que fosse minimamente engraçada. Não é o caso. Basta dizer que Ailton Graça fingindo ser gay consegue roubar a cena sem muito esforço. E por mais que seja curioso ver Danielle Winits reconhecendo a própria idade num papel de dondoca, ela continua sendo Danielle Winits de qualquer jeito – só que agora sem mais aquela gostosura toda da juventude. Nos coadjuvantes ainda temos o casal aborrecido de vizinhos que jamais faz o espectador se importar com eles e um dos piores elencos mirins que eu me lembro de ter visto no cinema.

Raso até dizer chega, Até que a Sorte nos Separe certamente estaria mais à vontade caso fosse lançado direto para TV, onde sua superficialidade seria menos notada. Mas fazer dinheiro é preciso, e nada melhor do que nomes globais para atrair o público para consumir mais uma besteira da Vênus Platinada…

Até-que-a-Sorte-Nos-Separe03

Cotação-2-5

 

 

Até-que-a-Sorte-nos-Separe-poster-202x300Até que a Sorte nos Separe (idem)

Direção: Roberto Santucci

Roteiro: Paulo Cursino, Angélica Lopes livremente inspirado no livro de Gustavo Cerbasi

Elenco: Leandro Hassum, Danielle Winits, Kiko Mascarenhas, Rita Elmôr, Carlos Bonow, Júlio Braga, Julia Dalavia, Henry Fiuka, Aílton Graça, Victor Mayer, Marcelo Saback, Rodrigo Sant’anna, Maurício Sherman.

Gênero: Comédia

Duração: 90 minutos

Anúncios

2 comentários

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s