Game of Thrones S02E05 – The Ghost of Harrenhal | Review

O grande desafio de Game of Thrones nesta temporada (e com certeza também será nos anos seguintes, em proporções cada vez maiores) consiste em equilibrar sua trama em meio a seus inúmeros personagens e cenários. É uma história sem protagonista, onde cada participação tem sua devida importância no todo. Como consequência, é natural que a narrativa demore a engatar, pois a série precisa de tempo para apresentar e posicionar cada peça deste jogo para o espectador. É disso que se trata o show. Assim, quem espera um épico recheado de sequências de ação corre sério risco de se decepcionar.game-of-thrones-ghost-of-harrenhal-brienne

Uma prova disso se encontra logo na cena que abre este The Ghost of Harrenhal, onde aquela que prometia ser a primeira grande batalha da guerra civil que assola Westeros é resolvida num piscar de olhos antes mesmo de começar. Ainda que a sequência final do último episódio tenha tirado um pouco de seu impacto, a morte de Renly Baratheon ainda funciona como uma súbita virada na narrativa que coloca a guerra em um novo rumo, com Stannis se apoderando das forças do irmão e ficando em posição ideal para atacar Porto Real, para grande preocupação de Tyrion.

Falsamente acusada de ser assassina de seu amado rei, Brienne não vê alternativa senão fugir e se aliar a Catelyn. Cabe destacar o trabalho da atriz Gwendoline Christie, que encarna a personagem sempre de semblante sério e obstinado, retratando seu estreito código de honra. E se a cena da morte de Renly funciona isso muito se deve ao desespero demonstrado pela guerreira. Ainda neste segmento, a série segue com suas criativas complementações ao material original ao fazer Mindinho seduzir Margaery Tyrell com a ideia de continuar sendo rainha (quem leu os livros sabe o quanto isso se encaixa perfeitamente nos planos do personagem).game-of-thrones-ghost-of-harrenhal-dany1

Trazendo cenas belíssimas e contrastantes entre a exótica Quart e o gélido ambiente ao Norte da Muralha, o episódio consegue dividir seu tempo entre os diferentes segmentos da série de maneira fluida e inteligente, fazendo suas transições seguirem uma certa lógica, nunca soando gratuitas. Em determinado momento, por exemplo, Bran conversa com Osha (que assume na série o papel dos irmãos Reed sem grandes prejuízos) sobre os mistérios para além da Muralha para logo em seguida passarmos a acompanhar John Snow. O bastardo e seus companheiros da Patrulha da Noite encontram o veterano Qhorin Meia-Mão no chamado Punho dos Primeiros Homens. E já que estamos falando deste núcleo, é nítida a diferença das cenas filmadas in-loco, quase podemos compartilhar o frio com os personagens.

E se Theon Greyjoy apropriadamente assume um tom pomposo e estúpido frente aos seus comandados, sendo imediatamente feito de chacota pelos Homens de Ferro, a mãe de dragões Daenerys se vê em meio a luxos e cortesias carregadas de segundas intensões. Já percebendo uma paixão contida de seu conselheiro Sor Jorah, a khaleesi precisará de jogo de cintura para saber em quem confiar. Particularmente gostei bastante do visual de Pyat Pree e da enigmática Quaithe, todos carregados de uma eficaz ambiguidade.game-of-thrones-ghost-of-harrenhal-Arya

Tendo sido destaque absoluto por toda a temporada, Tyrion desta vez tem uma participação mais discreta, porém não menos marcante. Responsável por organizar as defesas de Porto Real (inclusive apresentando o conceito de fogovivo, mais um elemento da série calcado no fantástico), o anão cede seu espaço para outro personagem não menos carismático: a menina Arya.

Submetida forçadamente a trabalhar para Lorde Tywin, a pequena Stark jamais perde sua furtividade, estando sempre atenta ao que acontece ao redor. E Maisie Williams fica cada vez mais à vontade na personagem, percebam como sua expressão mistura ao mesmo tempo medo e ódio quando é acuada pelo Lannister, e sua reação na sutil ameaça que passa desapercebida: “Qualquer um pode morrer.”

Mas o que realmente chama atenção em The Ghost of Harrenhal é a aliança entre a pequena e o interessante Jaqen H’gar. Resultado de uma cuidadosa composição de Tom Wlaschiha, o personagem constrói uma curiosa dinâmica com a pequena Stark. Dono de uma locução no mínimo peculiar e de uma cabeleira repleta de madeixas brancas, Jaqen pode se revelar um aliado essencial para Arya, já que ele representa uma chance para ela finalmente agir no jogo dos tronos.

Afinal de contas, um homem tem uma dívida para pagar.

game-of-thrones-ghost-of-harrenhal-Jaqen-630x354

Leia mais sobre Game of Thrones.

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s